Seguidores

Visitas

terça-feira, 27 de setembro de 2016

STF aceita denúncia e torna Gleisi e Paulo Bernardo réus na Lava Jato

Casal é acusado de pedir e receber R$ 1 milhão desviados da Petrobras.
Defesa nega repasse e aponta divergências entre delações premiadas.



A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou por unanimidade nesta terça-feira (27) denúncia apresentada pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o marido dela, o ex-ministro Paulo Bernardo, na Operação Lava Jato. Com isso, os dois passam a ser réus no processo.
O STF também aceitou a denúncia contra o empresário Ernesto Krugler Rodrigues, ligado ao casal. Segundo a acusação, os três, "agindo de modo livre, consciente e voluntário”, pediram e receberam R$ 1 milhão desviados do esquema de corrupção na Petrobras.
O relator da Lava Jato no STF, ministro Teori Zavascki, foi o primeiro a votar pelo recebimento da denúncia. Ele foi acompanhado pelos ministros Dias ToffoliCelso de MelloRicardo Lewandowski e Gilmar Mendes.

G1 entrou em contato com a assessoria da senadora e aguardava posicionamento até a última atualização desta reportagem.
A reportagem ainda não havia conseguido contato com as defesas de Paulo Bernardo e Ernesto Krugler.
O dinheiro teria sido direcionado para a campanha eleitoral de Gleisi em quatro parcelas de R$ 250 mil. O repasse teria sido realizado, segundo a PGR, através de empresas de fachada do doleiro Alberto Youssef contratadas pela Petrobras a firmas de Rodrigues.
Ainda segundo a PGR, os recursos foram liberados pelo ex-diretor de AbastecimentoPaulo Roberto Costa, cujo objetivo seria obter apoio político de Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo para se manter no cargo.
Na sessão, o advogado de Gleisi, Rodrigo Mudrovitch, negou os crimes e apontou supostas divergências entre as declarações de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef nas delações premiadas, especialmente em relação ao modo como o dinheiro teria sido repassado.
“O colaborador premiado não só fala algo discrepante do que outro colaborador diz, mas também se dá ao luxo de mudar de ideia. E pode mudar de ideia novamente ao longo do processo”, disse o advogado.
Defensora de Paulo Bernardo, Verônica Sterman também rebateu a acusação, alegando que não teria sido provada interferência de Paulo Bernardo para manter Paulo Roberto no cargo de diretor na Petrobras.
“Os dois colaboradores negam terem recebido qualquer solicitação. Se Paulo Bernardo não falou nem com um nem com outro, como pode a PGR tê-lo denunciado por corrupção?”, disse a advogada na tribuna.
Em nome de Rodrigues, o advogado José Carlos Garcia negou participação do empresário nos crimes. “Não há descrição de participação do fato do autor. Não traz uma linha no sentido de dizer que interferiu no recebimento de propinas na Petrobras”, afirmou.

- KF

Nenhum comentário:

Postar um comentário